Mêda

Ver Mapa
Mêda

O município de Mêda fazia parte da antiga região Beira Alta, atualmente faz parte da Região Centro de Portugal. Caracteriza-se por se localizar numa zona de transição entre as regiões naturais do Alto Douro e do Planalto Beirão.

Pinturas rupestres e outros achados mostram que a região terá sido povoada a partir de finais do Paleolítico, havendo vestígios dolménicos em Aveloso, Longroiva, Prova e Ranhados, sendo o documento pré-histórico mais importante a estátua-menir de Longroiva, confirmando a ancestralidade das Terras de Mêda.

Dos povos da época castreja que viveram nas imediações desta vila salientam-se os Aravos, na zona de Marialva, os Longobritas, em Longroiva, e os Meidubrigenses, na Mêda.

Os Romanos foram aqueles que mais exerceram aqui o fenómeno de aculturação. As calçadas, as pontes, as placas tumulares, os marcos milenários, as moedas, as aras votivas, as villae e os vicus e as civitas por eles construídas testemunham bem o seu esforço de nos romanizar, testemunhos da ligação com Roma, especialmente nas épocas dos césares Trajano e Adriano.

Seguiram-se os povos Bárbaros, os Suevos e Visigodos. Os Árabes, também aqui se fixaram até 1065, data em que Fernando Magno, Rei de Leão e Castela, conquistou a região.

A atual cidade de Mêda desenvolveu-se com a reconquista cristã do território e o estabelecimento, nos começos do século XII, de um ermitério beneditino situado no local da igreja Matriz, perto do Morro do Castelo.

Durante a Idade Média, Mêda era um povoado de dimensão reduzida, contrastando com as vilas vizinhas que hoje integram este município: Marialva, Ranhados, Longroiva e Casteição. Esta localidade era um cenóbio beneditino, situado no sopé de um morro granítico que assinalava a presença cristã e o direito ao celeiro.

Na reconquista cristã das Terras de Mêda, protagonizada por Fernando Magno em 1063, os castelos do concelho de Mêda foram preciosos auxiliares. Os pelourinhos e forais velhos e quinhentistas simbolizam a autonomia municipal e testemunham as alterações administrativas.

A 1 de Junho de 1519 foi concedido por D. Manuel I um foral que, “embora não decretasse a fundação do concelho, veio legitimar a realidade concelhia da antiga vila e concelho de Mêda, comenda da Ordem de Cristo”.

O município na sua atual configuração foi reconstruido após a reforma do liberalismo. A criação do município é, assim, anterior ao século XVI. Constituído inicialmente por uma única freguesia, o concelho foi beneficiado por decretos sucessivos que nele integraram as freguesias atuais. Todavia, já em 1872, Mêda apresentava-se como cabeça de Câmara, com efeitos administrativos, fiscais, judiciais e eclesiásticos, e a sua posição saiu reforçada com a decisão judicial de Barjona de Freitas.

Até aí, várias alterações decorreram: os concelhos do Aveloso, Casteição, Longroiva e Ranhados foram extintos por decreto de 6 de Novembro de 1836 Marialva apenas foi extinto em 1852. A freguesia da Prova, que pertencia em 1855 ao concelho de Penedono, ficou a pertencer ao de Mêda em 1872. A Mêda restaurou a sua comarca (poder judicial) em 12 de Novembro de 1875; a partir de então, e até 1951, o dia 12 de Novembro foi feriado municipal. Atualmente, o feriado municipal ocorre em 11 de Novembro (dia de S. Martinho) desde 1974, tendo em atenção a importância de que se reveste a vinicultura para todo o município.

A povoação recebeu foral de D. Manuel I (1495-1521) no dia 1 de Junho de 1519. A vila foi elevada a cidade em 26 de janeiro de 2005.

Filtros
Rotas
Pontos de Interesse
Portuguese PT Spanish ES English EN